quarta-feira, fevereiro 21, 2007

AMAR


Amar é fogo que não se tira brasa,
Amar é um desejo de ser despejado,
E perder a casa.
Amar é acenar aflito à condução
Já atrasada.
Amar é pender de um lado,
E do outro incomodar-se.
Amar é dose, tirada da boca vazada.
Amar é ímpar, o primeiro numero.
Amar é dar a cara dos dois lados,
A moeda que não cai em pé.
Amar é armazenar amor,
Amar é algo provocador
Que não se contém, como dor,
Uma vontade de ser doador,
De sangue de amor e flor.
Amar é da primeira pessoa,
É transitivo a ela, e só.
Ou um que transita por sobre toda a humanidade.
Um outro tipo de amar, de outra raça.
Amar é querer conjugar, colar ou meter-se,
Dentro e fora.
Fora e dentro, é amar.

Um comentário:

MARIA VALADAS disse...

Já comentei...e torno a fazer outra vez...

O poema está lindo....lamento não puder ouvir as suas músicas....

Talvez um dia...

Beijos da
Maria

TERESINA

Sign by Dealighted - Coupons & Discount Shopping