sexta-feira, janeiro 12, 2007

CABARÉ

Rumores de uma noite de porteiras abertas

Todos no pátio numa algazarra de querência.
Pentes roçam os cabelos e água cai pelas costas,
Ternos e casacos puxados pelas pontas
Ao ponto do bolso onde se guarda
Os honorários dos homens, as gorjetas das raparigas.
Carros de enfeite, já os burros se mexem
O cabaré se vira num amanhecer num ponto
Os homens não se vestem como a mulheres,
Ninguém lhes ajuda, a parceira sabia,
Mas no liso convento as mulheres se amaram,
Como penitentes, um flagelo de laços,
Umas se seguram, outras puxam e encolhem
Que fazem as linhas tensas um pelourinho armado.
Risos soltos esvaziam as bocas das mulheres,
Os homens roçam o bigode, malícia de coronel.
O baile não começa, porque a noite não pra baile,
É para os finca-pés, os senta e sai dos colos,
As cadeiras esvoaçantes, qual ancas de égua erada,
Panos por sobre pano, por sobre pano, por sobre nada.
Às vezes quando se chega a encher o chão de algodão
Depara-se com uma magrela, o desejoso brocha e grela
Os olhos no disparate. Inventa uma desculpa,
E enquanto ela ajunta a estufa, já ele tem outra sentada,
E rir-lhe à boca, comenta os olhos, e faz cosquinhas,
E deitam e rolam, e bebem e mijam e esquecem a cueca.
Só os homens voltam pra casa,
As mulheres voltam ao fortúnio
Amar é um bom negócio, amor é um negócio bom.
Hoje a noite prometeu, o que amanhã será melhor,
Os homens vão cheirosos, as mulheres preparam o ópio,
Com mãos de creme massageiam e se dão como cópia,
Da mais gostosa fruta, da mais cheirosa rosa,
Da mais quente fornalha, que queima por fora e dentro
.


'leia PALAVRA'

Um comentário:

Carol disse...

Muito, muito bom!

Me lembra até a nova minissérie da Globo! ;P

TERESINA

Sign by Dealighted - Coupons & Discount Shopping